Diário de Maria

A Loira

janeiro 13, 2011Ricardo Santo


Ainda meio atordoado com a situação o estranho carregou no botão para abrir as portas do veículo. Sentia um misto de emoção forte entranhada com incredibilidade, era completamente irreal aquele filme que estava a presenciar.  Observou a porta a abrir e Maria a chegar-se para o meio dando lugar à invasora brasileira. Não se acanhem com a minha presença, só quero desfrutar soltou com aquele sotaque tão característico do outro lado do Atlântico. Maria não se fez de rogada com a situação, estava extasiada e depressa largou a gabardine com a qual cobria o corpo. A loira assaltou de imediato os seios massajando-os com as suas pequenas mãos. Deliciou-se com aquela oferta por alguns segundos, apertando subtilmente, acarinhando cada seio levando novamente Maria a entrar em transe. Fechou os olhos, recostou-se e deslizou no banco, abriu um pouco as pernas e apoiou a cabeça no encosto oferecendo-se por completo para a nova adversária. A loira assaltou-lhe os mamilos com a boca, fazendo-os imediatamente despontar à primeira passagem de língua. Sugou-os com perícia, praticando um jogo de língua hábil e provocatório levando Maria a murmurar baixinho, palavras desnorteadas. O estranho não se deixou ficar, a sua mão esquerda iniciou uma lenta subida pela perna, passando pelo interior da coxa, tocando somente com a ponta dos dedos até a mão se perder no interior da saia de pregas. Maria contorceu-se com arrepios, estava duplamente arrebatada. A loira agarrou-lhe os caracóis suados, puxando-os e beijo-a ardentemente enquanto o estranho navegava os seus dedos pela leve penugem do seu sexo, massajando-a. O estranho sentiu a mão completamente lambuzada de suco, esperma e viscosidades que habitavam o local, rumou ao clítoris da companheira e iniciou uma dança expedita com os dedos, começando com pequenos círculos em volta, esfregando lentamente a tórrida saliência que começava a entrar em aflição. Maria beijava a loira de forma lasciva e devastada, deliciando-se tal e qual uma criança com um novo brinquedo. O estranho sorria com um sorriso rasgado, estava completamente alucinado com o desenrolar dos acontecimentos. Provocou Maria com maior exuberância, esfregando o clítoris de forma repentina, aumentando a intensidade, os seus dedos devoravam a pequena proeminência deixando a companheira ofegante, sem ar para respirar, debatia-se no banco feito louca, contorcendo-se, revirando os olhos e cravando as unhas nas calças do estranho. Não foram necessários muitos segundos para se vir a segunda vez naquela noite.

Com Maria satisfeita a loira olhou intensamente nos olhos castanhos do parceiro fazendo de imediato faísca, a brasileira estava possuída. Apesar do curto espaço trepou por cima de Maria que relaxava no banco, gatinhou, deitando-se de barriga para baixo nas suas pernas, alcançando o estranho. Em poucos segundos voltou a ficar com as calças e os boxers a meio das pernas, com o membro totalmente à disposição da invasora nocturna. Apanhou o longo cabelo loiro com a mão direita e atacou o sexo com a outra fazendo-o desaparecer dentro da sua pequena boca. Pouco se importou que o estranho se tivesse acabado de vir, pelo contrário, parecia ainda mais desinquieta, atacou o membro lambuzado com tal afinco que parecia alucinada, sedenta por aquele pedaço de carne. Começou por beijar o sexo de ambos os lados, beijos molhados e prolongados, acompanhados de carícias nos tomates. Saboreou-o, acariciando-o de forma conhecedora entre as mãos, alimentou-se dele, lambeu e sorveu a ponta, excitando-a com os seus lábios finos e língua maliciosa, ora fazendo aparecer ora desaparecer o sexo no fundo da sua garganta, deliciava-se a cada chupadela, lambuzando-se ouvindo o estranho a gemer baixinho, adorava aquele som, era música para os seus ouvidos. Encontrava-se a fervilhar por dentro e ficou ainda irrequieta quando sentiu as suas calças a deslizarem pelas pernas deixando à mostra uma tanga preta. Sentiu de imediato uma palmada bem assente na nádega direita, de mão aberta que a inquietou, logo de seguida sentiu outra exactamente no mesmo local levando uma onda de prazer a percorrer o seu corpo, ainda sem se compor estremeceu ao sentir uma terceira palmada de Maria que a fez revirar os olhos e engasgar-se com o sexo do estranho. Possuída com a sensação gatinhou para cima do parceiro obrigando Maria a ceder o seu espaço a meio do banco, estava agora completamente embaciado.

Completamente desalmada trepou e envolveu os seus braços em torno do seu pescoço e beijo-o nos lábios, foi de pouca dura pois soltou de imediato um grito seco, sentindo o seu cabelo loiro a ser puxado com violência. Maria segurava-lhe o cabelo com força aproximando-se dela, sussurrando-lhe ao ouvido: Podes foder safada mas essa boca é minha, esclarecida? Maria tinha ficado desvairada por ter de partilhar a boca do estranho com a cadela brasileira. A loira compreendeu de imediato que nem tudo era possível naquele pequeno espaço. Trocou de posição sentando-se de costas para o estranho. Abraçou o banco do condutor e empinou o rabo de forma provocatória, chamando-o até si, cativando o parceiro a possui-la por trás. O estranho levou a mão às calças de ganga baixando-as por completo até aos pés. Com um gesto prático baixou-lhe a tanga sentindo de imediato um odor a fêmea que se dissipou pelo veículo. Com o braço esquerdo puxou a loira até si, conduzindo-a sabiamente até ao seu membro erecto e cheio de tesão. Levou dois dedos à boca lambuzando-os de saliva que aplicou na entrada do ânus olhando em seguida nos olhos de Maria. Encostada, presenciava a luxúria sorrindo de forma provocante, estava a adorar a partilha, piscou-lhe o olho num sinal de aceitação. A loira fez o resto do trabalho baixando-se e enterrando o duro sexo dentro de si. Gemeu de imediato ao sentir-se violada no seu buraco apertado, aguentou a dor e iniciou uma dança de ancas subindo e descendo lentamente para o seu rabo se habituar ao membro. Cravou as unhas no apoio de cabeça do banco do condutor e libertou-se cavalgando com maior prazer. Iniciou o habitual vai-e-vem ritmado, acelerando ao compasso, sentindo que o parceiro vibrava a cada nova incursão. Recreava-se a cada nova estocada que a invadia de prazer, os movimentos de ancas, as mãos trabalhando em harmonia no balançar dos corpos, penetrava aquele sexo a seu belo prazer aquele gostoso pedaço de luxúria que lhe tinha caído do céu. Mantendo um ritmo pujante largou o banco deitando-se para trás, levando as suas costas a baterem no peito do estranho, este agarrou-lhe ambas as pernas e fez um ciclo de elevações rápidas levando-a a gemeu e praguejar ao sentir-se desflorada daquela maneira, sentia o corpo em chamas, invadida pelo diabo que a torrava por dentro, o seu rabo explodia a cada nova investida e quase se veio quando sentiu a sua boca a ser apertada pelas mãos de Maria, apertando-lhe os maxilares e obrigando-a a abrir a boca. Perdeu por completo o controlo da respiração e nem conseguia abrir os olhos de tanta excitação, o coração batia de forma desenfreada, pulsando galopantemente rumo ao abismo, não aguentava nem mais um minuto, a cada nova estocada daquele sexo no seu interior era invadida por autênticos choques eléctricos que navegavam pelas suas veias, ficou sem forças para suster o orgasmo, era mais forte do que ela, prolongou ao máximo da sua resistência e veio-se descontroladamente, invadida por espasmos que a violentavam internamente, tinha subido ao céu. 
 
Fim

You Might Also Like

26 comentários

  1. Ai que tesão de conto.
    Um menage dentro de um carro,o cheiro de sexo devia estar inebriante , pois não?
    Só de imaginar a cena meu corpo estremece entre espasmos que me levam da lucidez a luxúria que emana em tuas palavras,
    Um membro disputado por duas cadelinhas safadas, quanta sorte tem o desconhecido.

    Ufa!!!!

    Parabéns pelo delicioso final.

    Beijos suados e embasbacados para ti...rsrs

    ResponderEliminar
  2. Sem Palavras,
    Vou ter de ler de novo tudo de uma vez e do principio :)))

    Beijo BLUE :)

    ResponderEliminar
  3. Ao céu, fui e vim numa viagem desenfreada!

    Extremamente bem descrito, capaz das mais diversas sensações!
    Capaz de me fazer entrar, naquele carro... ;)

    Congrats! :)





    Basium
    (on fire)

    ResponderEliminar
  4. Santo,

    de todo o texto, houve uma parte que reti: o facto de Maria não permitir que a loira beijasse os lábios do homem.

    E decerto entenderás porquê, sem eu precisar de me explicar por aqui.

    Beijos.

    ResponderEliminar
  5. Uma palavra:

    N I R V ANA!

    Narrativa com adjectivação diferente do habitual, estilo algo novo, mas iria arriscar dizer que muito (mais) TEU! Amei!

    Beijo nos teus lábios ;)

    ResponderEliminar
  6. Que agradável visita, a tua ...

    Adentro teu espaço, busco algo que defina vc em cada ato ...

    e volto, volto mais vezes ...

    bjs

    ResponderEliminar
  7. Amigas amigas... mas não se partilha tudo. A boca não, beijar não.

    Adoro...

    ResponderEliminar
  8. ;)

    O piscar de olhos foi a minha maneira de te dizer: MUITO BOM!

    ResponderEliminar
  9. Pode-se partilhar quase tudo, mas é isso mesmo... quase.

    Brilhantemente escrito, intenso, explosivo e carregado de tesão e tensão! Excelente.

    Beijo meu

    ResponderEliminar
  10. Busco nas tuas próximas palavras uma nova inspiração!

    Curiosa... confesso-me!

    Relativamente a este conto agora terminado, apenas poucas palavras tenho para ti...

    ... invades todos os meus sentidos de uma forma peculiar e intensa!

    Bela escrita!

    Beiju-t

    ResponderEliminar
  11. Luna

    Ainda bem que ficaste deliciada com o final de mais um conto, eu adorei escreve-lo e imagina-lo na minha mente. O estranho é de facto um rapaz cheio de sorte na vida...

    Aguardo pelo teu regresso
    Beijo Suados

    ResponderEliminar
  12. Blue

    Obrigado pelo teu regresso ao meu canto.
    Atreves-te a ler as três secções do conto de uma só vez? Cuidado com as sensações...

    Mulher atrevida...
    Beijo Meu

    ResponderEliminar
  13. Querida Venus

    Obrigado pelas palavras carinhosas, até fico sem graça quando as recebo vindas de ti. Ainda bem que consegui transmitir sensações e intensidade para esse lado com a minha escrita. Só me faz querer repetir a dose...

    Já todos estivemos naquele carro...
    Certo?

    Beijo on Fire

    ResponderEliminar
  14. Balada

    Nem tudo se partilha na vida, a Maria sabe isso perfeitamente. Por mais que goste de partilhar os jogos de sedução do Estranho, aqueles lábios são dela...

    Não necessito de explicações, entendo-te perfeitamente...

    Beijos

    ResponderEliminar
  15. Querida Star

    Esta última parte do conto vem no seguimento dos outros e lendo-me não consigo identificar uma mudança na maneira de me apresentar. Gostei de te ter transmitido uma nova faceta nas minhas palavras :)

    Evoluímos sempre na escrita ao longo do tempo mas não acho que esta última parte tenha mais de mim do que as recentes. Eu continuo a colocar um pouco de mim em cada personagem, nada se alterou...

    Obrigado pelas palavras quentes, chegar ao Nirvana aos teus olhos e sentidos é atingir um cume difícil de escalar. Os meus lábios são como os do Estranho, não são para todas ;)

    Beijo-te

    ResponderEliminar
  16. Lady

    Obrigado pela tua visita.
    Aguardo o teu regresso.

    Beijo

    ResponderEliminar
  17. O Sussurrar do Corpo

    Obrigado pelas tuas palavras e por te teres perdido no meu pequeno canto.
    Espero que regresses sempre que te apetecer.

    Beijo

    ResponderEliminar
  18. Desejo Evidente

    Obrigado por mais esta visita.
    Quase tudo se partilha na vida, mas nem tudo.
    Há coisas que são especiais e que não se partilham.
    ;)

    Beijo Meu

    ResponderEliminar
  19. Red Angel

    Obrigado pela tua visita a este meu pequeno canto.
    Fico contente por te teres identificado com as minhas palavras e pelas minhas personagens.

    Espero pelo teu regresso :)
    Beijo

    ResponderEliminar
  20. Lib

    Quase...
    Sabes tão bem como eu.

    Fiquei sem graça ao ler as tuas palavras.
    Muito obrigado, nem sei mais o que dizer a não ser agradecer-te...
    :)

    Beijo meu (muito sentido)

    ResponderEliminar
  21. Querida Fi

    A inspiração procura-se a cada canto, a cada frase e a cada post de blog devorado. Fico contente por procurares inspiração neste meu pequeno canto. Como sabes, também busco inspiração no teu pequeno vermelho...

    As palavras que referes sobre as sensações que te consigo transmitir só me dão força para continuar a melhorar a escrita, descobrir novas formas de fantasiar e novos caminhos a seguir para as minhas personagens.

    Beiju-te de volta

    ResponderEliminar
  22. Meu querido "Estranho",

    Gosto que sejam para mim, especialmente no dia de hoje...já sabes que não me contento com second best...

    Beijo-te

    ...again...

    ResponderEliminar
  23. Ficas a saber que eu GOSTO das Sensações :)
    Ah e sou FORTE :)

    Beijo Blue Sensitivo :)

    ResponderEliminar
  24. Aceitei a sugestão, e impossivel parar antes do fim, mas afinal já tinha lido, não sei como, mas de entre os que escolhi para ler quando vim parar aqui ao teu ca(o)nto este foi um dos que li.

    Muito bom, intenso, mas partilhar desta forma não é a minha praia, definitivamente...




    Beijo

    ResponderEliminar
  25. Surreal. Três num carro não é fácil de gerir, mas tu fizeste a coisa correr bem. Detestei a forma como a Maria tratou a loira, que acesso idiota de ciúme foi aquele ao dizer que ela não podia beijar o homem? Havia de ser comigo e era enrabada na hora, para aprender a tratar as pessoas como deve ser! Ahahaha! A sério, acho que se é para partilhar, o(s) convidado(s) têm de ser bem tratados, com tudo o que têm direito, não usar como um objecto para satisfação do ego, não dar lugar a possessividades parvas. Partilhar não é para qualquer um. Perdoa-me o apontamento, mas tinha de o fazer.

    ResponderEliminar

Popular Posts

Tumblr

Contact